quarta-feira, 25 de maio de 2016

Mais uma carta para você

Querido não prometo que será a última,

Essa é só mais uma das milhões de cartas que já te escrevi, as mesmas que nunca foram entregues e nem nunca serão. Todas partes da junção do mesmo elástico que as prende no canto esquecido da gaveta da minha cômoda. As mesmas que seguram todo esse meu orgulho dentro de mim, essa minha falta de coragem de abrir o jogo mais uma vez. De me deixar fraquejar diante dos teus pés sem me preocupar com as lágrimas que irão escorrer entre um soluço e uma palavra entrecortada. 

Eu não sabia que esse negócio chamado amor podia ser tão real, tão forte. Pensei que fosse como a felicidade que chega sem ter hora marcada e vai embora sem avisar, um tipo de sentimento que gruda fácil e se desprende da mesma forma. Hoje me pergunto quanto mais um amor pode durar depois do fim e nunca tenho respostas.

O que a gente passou foi tão sutil, tão prazeroso, doce e inocente que é impossível levar como um erro até os fatos que mais me causam arrependimento. Não consigo tirar da minha cabeça aquele que você já foi ao meu lado, não tem como te tirar da minha história tão fácil. 

Quem sabe eu leve anos para poder te olhar e não sentir nem se quer uma pontinha de preocupação. Não vou negar que ainda me importo, que ainda quero saber quantos sorrisos deu no dia, o quanto segue feliz. Se tem uma coisa que eu sei e queria que soubesse é que estarei aqui em todos os momentos, mesmo distante.

Enfim, às vezes acho que o amor é isso. Aprender a respeitar o espaço do outro e saber se posicionar quando lhe convém. Saiba que estou muito feliz com tudo o que a vida vem me proporcionando e que a felicidade vem e volta a todo momento, mas nunca me abandona. Eu estou bem e só espero que esteja bem também.
Daquela que ainda sente sua falta.


sábado, 21 de maio de 2016

10 filmes sobre amizade

1. Um Dia
O filme é um dos mais amorzinhos sobre amizades que surgem do nada e se tornam tudo que eu já assisti. Aqui Emma e Dexter alimentam uma amizade à distância que surge logo após a vida de ambos insistir em ter um futuro planejado. Ambos esperam muito do futuro, mas não sabem nem por onde começar e o dia que se conheceram não sai da cabeça de nenhum mesmo após anos. O tempo passa e eles levam vidas bem diferentes, porém algo dentro deles não consegue apagar a essência daquele primeiro encontro. Ao longo dos 20 anos seguintes, flashes do relacionamento deles e das suas vidas são narrados uma vez por ano, todos no mesmo dia 15 de julho (o dia em que se conheceram).  Conforme o verdadeiro significado desse dia é desvendado eles sabem que precisam acertas as contas com o amor e a própria vida.
2. Simplesmente Acontece
O filme é tão amorzinho que dá vontade de assistir mil vezes, uma história sobre o poder da amizade em relação ao amor. Os jovens britânicos Rosie  e Alex são amigos inseparáveis desde a infância, experimentando juntos as dificuldades amorosas, familiares e escolares. Embora exista uma atração entre eles, os dois mantêm a amizade acima de tudo. Um dia, Alex decide aceitar um convite para estudar medicina em Harvard, nos Estados Unidos. A distância entre eles faz com que nasçam os primeiros segredos, enquanto cada um encontra outros namorados e namoradas. Mas o destino continua atraindo Rosie e Alex um ao outro. 
3. Intocáveis
Esse é um filme para preparar os lencinhos, porque lágrimas irão escorrer. Philippe é um aristocrata rico que, após sofrer um grave acidente, fica tetraplégico. Precisando de um assistente, ele decide contratar Driss, um jovem problemático que não tem a menor experiência em cuidar de pessoas no seu estado. Aos poucos ele aprende a função, apesar das diversas gafes que comete. Philippe, por sua vez, se afeiçoa cada vez mais a Driss por ele não tratá-lo como um pobre coitado. Aos poucos a amizade entre eles se estabele, com cada um conhecendo melhor o mundo do outro. 

4. As Vantagens de Ser Invisível
Esse é um filme para se apaixonar pelos personagens, uma história de amizade adolescente que não dá para tirar da cabeça. Charlie é um jovem que tem dificuldades para interagir em sua nova escola. Com os nervos à flor da pele, ele se sente deslocado no ambiente. Sua professora de literatura, no entanto, acredita nele e o vê como um gênio. Mas Charlie continua a pensar pouco de si... até o dia em que dois amigos, Patrick  e Sam, passam a andar com ele e acabam virando sua vida do avesso. 

5. Ponte Para Terabítia
Uma história que, literalmente, vem da nossa infância, um filme tão amorzinho sobre amizade que até hoje dá vontade de rever. Jess Aarons sente-se um estranho na escola e até mesmo em sua família. Durante todo o verão ele treinou para ser o garoto mais rápido da escola, mas seus planos são ameaçados por Leslie Burke, que vence uma corrida que deveria ser apenas para garotos. Logo Jess e Leslie tornam-se grandes amigos e, juntos, criam o reino secreto de Terabítia, um lugar mágico onde apenas é possível chegar se pendurando em uma velha corda, que fica sobre um riacho perto de suas casas. Lá eles lutam contra Dark Master e suas criaturas, além de conspirar contra as brincadeiras de mau gosto que são feitas na escola. 
6. Cidades de Papel
John Green ultimamente vem surpreendendo os leitores com suas histórias incríveis e o melhor disso é que maioria anda se tornando filme e Cidades de Papel veio com tudo para deixar os espectadores ainda mais apaixonados pelos personagens. A história é centrada em Quentin Jacobsen e sua enigmática vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Ele nutre uma paixão platônica por ela. E não pensa duas vezes quando a menina invade seu quarto propondo que ele participe de um engenhoso plano de vingança. Mas, depois da noite de aventura, Margo desaparece – não sem deixar pistas sobre o seu paradeiro. 

7. Será Que?
Um dos filmes que realmente ficou no meu coração é esse, não tem como não amar a relação dos personagens. Wallace está sozinho há um ano, após terminar com a namorada depois de vê-la com outro homem. Encerrado o período de luto pelo fim do relacionamento, ele acredita que é hora de seguir em frente. Um dia, em uma festa organizada pelo melhor amigo Allan, ele conhece Chantry, a prima dele. Não demora muito para que o papo entre eles flua naturalmente e Wallace se ofereça para levá-la até em casa. Mas, ao chegar, ele descobre que Chantry tem um namorado, o que o desanima. Dias depois, Wallace e Chantry se reencontram por acaso e, após uma rápida conversa, decidem ser apenas amigos. A partir de então, eles andam juntos por tudo quanto é canto, apesar de Wallace nutrir um sentimento romântico por ela. 
8. Antes de Partir
Outro filme para preparar os lencinhos, e um filme incrível por sinal! Carter Chambers é um homem casado, que há 46 anos trabalha como mecânico. Submetido a um tratamento experimental para combater o câncer, ele se sente mal no trabalho e com isso é internado em um hospital. Logo passa a ter como companheiro de quarto Edward Cole, um rico empresário que é dono do próprio hospital. Edward deseja ter um quarto só para si mas, como sempre pregou que em seus hospitais todo quarto precisa ter dois leitos para que seja viável financeiramente, não pode ter seu desejo atendido pois isto afetaria a imagem de seus negócios. Edward também está com câncer e, após ser operado, descobre que tem poucos meses de vida. O mesmo acontece com Carter, que decide escrever a "lista da bota", algo que seu professor de filosofia na faculdade passou como trabalho muitas décadas atrás. A lista consiste em desejos que Carter deseja realizar antes de morrer. Ao tomar conhecimento dela Edward propõe que eles a realizem, o que faz com que ambos viagem pelo mundo para aproveitar seus últimos meses de vida.
9. Quatro Amigas e um Jeans Viajante
Outro filme de algum tempo atrás que não consegui deixar fora dessa lista. Tibby, Lena, Bridget e Carmen se conhecem desde bebês, já que suas mães faziam aula de aeróbica juntas. Elas nasceram no mesmo mês e cresceram juntas, tornando-se grandes amigas. Agora com 16 anos elas estão prestes a se separar pela 1ª vez, já que Bridget, Lena e Carmen planejam viajar nas férias de verão. Em uma ida às compras antes da separação elas encontram uma calça jeans que, estranhamente, cabe perfeitamente nelas. As amigas decidem comprá-la e iniciar uma irmandade em torno da calça, acreditando que ela seja mágica pelo fato de se adequar ao corpos diferentes que possuem. São definidas regras para o uso da calça, sendo que uma delas é que cada uma das amigas poderá usá-la durante uma semana.

10. De Repente 30
Jenna Rink é uma garota que está descontente com sua própria idade, já que seus colegas mais populares da escola não lhe dão atenção, seus pais ficam sempre no seu pé e o garoto por quem está apaixonada nem sabe que ela existe. A única amizade que Jenna possui é Matt Flamhaff, seu vizinho. Para tentar reverter a situação Jenna decide por ter uma grande festa para o seu 13º aniversário, convidando todos os adolescentes que conhece. Porém o que deveria ser sua consagração se transforma num grande desastre, após Jenna ser trancada em um armário devido a uma brincadeira e ser completamente esquecida pelos demais presentes na festa. Triste, Jenna faz um pedido: virar adulta de repente, para ter a vida com que sempre sonhou. O pedido milagrosamente se torna realidade e, no dia seguinte, Jenna desperta em 2004 e com 30 anos de idade. De início Jenna fica assustada com as novidades de sua vida, mas aos poucos fica cada vez mais encantada por ter se tornado tudo aquilo que sempre sonhou ser. Porém, quando tenta reencontrar Matt, ela descobre que perdeu contato com ele há vários anos e que agora ele está prestes a se casar. Mas ela vai fazer de tudo para mudar isso.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Entrevista com o autor: Luisa Soresini

A Luisa já foi apresentada por aqui como parceira do blog e seu livro lindo ganhou uma resenha à altura, mas tinha algo ainda faltando. Sim, isso mesmo, faltava uma entrevista cheinha de perguntas diversas para conhecermos mais da autora e de sua primeira obra publicada. Quem me acompanha para conhecer melhor essa escritora nacional de fantasia que chegou chegando? 

1. Escrever fazia parte de um sonho ou a vontade surgiu de uma hora para outra como se a personagem apenas lhe pedisse que escrevesse a sua história? Como tudo começou realmente?
R: Quando eu era bem pequena eu gostava muito de ver animes e desenhos animados. Então, com o tempo eu comecei a criar vários personagens meus, com base no que eu vi na televisão. Aos 9 anos, eu já tinha vários personagens desenhados e com enredos. Então quando eu tinha 15 anos, resolvi colocar suas histórias no papel.

2. A Filha do Norte é um livro fantástico, por que escolheu esse gênero literário? Como foi construir um universo todo novo?
R: É o gênero que eu mais gosto, porque eu posso criar tudo. Desde ambiente até os personagens. Não gosto de me limitar à realidade, é muito pouco para mim. Foi muito trabalhoso, mas valeu a pena, porque é completamente livre.

3. Os irmãos Vergamini nos mostram dois lados, o bom e o ruim, em questão de poucas páginas. Achei incrível a analogia de mostrar que todos podemos ter ambos os lados, basta saber qual querer mais para si. Porém, vemos que o Danton não quer se render muito à bondade. Como foi a construção desse personagem em especial?
R: Danton, por incrível que pareça é um dos meus personagens favoritos, justamente por causa da sua personalidade. Criar o Danton foi mais fácil do que mostrar sua evolução durante a narrativa. Ele é um personagem muito difícil de decifrar, você não sabe muito sobre suas atitudes e sobre o que ele pensa, eu tive que mergulhar muito dentro da sua alma para conseguir escrever sobre ele. 

4. O livro é repleto de grandes morais escondidas que nos fazem pensar sobre muitas coisas que acontecem. Quais foram as intenções como autora de nos proporcionar esses momentos de reflexão durante a leitura?
R: Acho que literatura também é aprendizado. Todos os meus livros querem passar alguma mensagem ao leitor e eu acho isso muito importante. Usar a literatura para causar reflexão nas pessoas.

5. Michelle é uma garota cheia de personalidade, às vezes um tanto ingênua, mas ao mesmo tempo dona de uma coragem imensa. Uma personagem como essa é um tanto marcante numa leitura, como foi a construção da protagonista? Quais as maiores inspirações?
R: Eu tenho várias protagonistas femininas. Quando eu pensei na Michelle, pensei em uma mulher que realmente escolhe o que quer fazer. Michelle ama limpeza, adora cuidar das pessoas, é uma verdadeira mãe, porém ela faz isso porque ela gosta e não porque é papel dela. Eu queria uma personagem feminina, fofa, mas ao mesmo tempo forte e capaz de decidir o próprio destino. Pensei muito em Jane Eyre, Sakura Card Captors, Merida e principalmente, na Sofie de Castelo Animado, do Studio Ghibli.
6. A Filha do Norte é seu primeiro livro, como sabemos hoje em dia há um espaço maior para escritores nacionais, mas mesmo assim ainda é difícil a publicação. Levando em conta isso, quais foram as maiores dificuldades como autora na publicação da sua primeira obra? Tem alguma dica para novos autores?
R: Encontrar uma editora foi uma tarefa difícil, até porque eu nunca tinha pensando em publicar este livro. Contudo, depois que fui procurando e me informando, ficou mais fácil. Acho que nós precisamos ser humildes, saber das nossas limitações e ter muita paixão pela sua obra. Se você não gostar ninguém irá gostar para você.

7. Como sabemos, os personagens trazem muito de nós mesmos. Entre você e sua criação, Michelle, quais são as principais semelhanças?
R: Michelle é uma personagem que está em processo de aceitação. Aceitar a si mesma e todos os seus defeitos. Eu já passei por esse processo e eu sei como doí. Nós nos tornamos próximas por causa disso.

8. Sabemos que toda obra é como um filho nas mãos dos autores. Se seu livro realmente pudesse saber o que você sente por ele, o que gostaria de dizer?
R: Filho, você não sabe como a mamãe tem orgulho de você. Você consegue levar um pedacinho de mim para cada pessoa que ler suas páginas. E ao mesmo tempo você prova para todos que nós podemos sim fazer o que gostamos e concretizar os nossos sonhos.

9. O livro se passa num universo de fantasia, mas e você, como autora, vive num universo fantástico em meio à realidade ou numa realidade em meio à fantasia?
R: Eu criei um lar para mim dentro das minhas histórias. Elas passaram a ser minha realidade também. Fantasia e realidade se mesclaram de uma forma imprevisível na minha vida.

10. A Filha do Norte é apenas o início, o que podemos esperar para o segundo livro?
R: Muitas aventuras, muitas lutas, muito lencinho de papel e um final para se guardar na memória.

Acompanhe a autora: 

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Enquanto o príncipe não vem que os sapos me divirtam

Malditos contos de fadas que nos fazem crescer esperando o cavalo branco surgir e em cima dele o cara encantado. Acho que no caminho o meu príncipe parou para descansar ou comeu a maça envenenada e resolveu ficar por lá adormecido, porque sério, quando não mandam só os cavalos ao meu encontro eu beijo sapos. Haja paciência para esperar por algo que não tem pressa em chegar, então, pelo menos enquanto o tal encantado não vem, que os sapos me divirtam. 

Fala sério, parei de acreditar tanto naquela história do senhor perfeito da galáxia chegar com propostas ultrapassadas e me fazer ver a vida de modo diferente. Cansei de esperar alguém que não vai chegar tão cedo, está na hora de aprender a conviver com os caras que não tem tanto para oferecer, mas que mesmo assim tendem a me fazer feliz.

Se a vida não anda tão colorida quanto nos contos de fadas vamos tentar usar as cores básicas e misturar um pouco esse cinza sem graça. Todos temos muito a oferecer, mesmo que não seja parte dos nossos planos algo de bom sempre vai ser deixado. Se não for o final feliz pelo menos serão momentos inesquecíveis, serão lembranças. E o que melhor do que ter uma boa história para contar?

Está na hora de parar de esperar por algo tão incerto e aproveitar os momentos com a intensidade que eles merecem. Chega de exigir de outro o que nem mesmo você sabe se consegue dar. O pôr-do-sol poderia ser na praia, mas por quê não curtir visto da janela da sua casa? Sabe, tem vezes que a gente perde muita coisa por não saber enxergar direito o que se tem.

Enquanto o príncipe não vem que os sapos me divirtam. Já me decidi, vou aproveitar o que os diversas pessoas que passam no meu caminho tem a oferecer. Aproveitar as emoções das quais não espero, as personalidades que não me encaixo e entender que é conhecendo que se descobre o quer. Quem sabe, no final o sapo vire príncipe mesmo, não é?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...